Você não vai encontrar o amor de sua vida no metrô de Porto Alegre

Fones de ouvido. De todas as cores. Todos plugados nas cabeças. O metrô de Porto Alegre, que não é metrô, é trem… Trensurb! Nos trens de Porto Alegre as pessoas vão e vem todas imersas no seu universo musical. Ninguém se olha, ninguém se vê e ninguém, muito menos, se ouve. Eu, o turista, com seu típico olhar, vejo a todos. Centenas de pessoas que nunca tinha visto, centenas de pessoas que nunca verei novamente… Mas não era sobre isso que eu queria escrever.

O amor de sua vida não está num trem em Porto Alegre, que de alegre não tem lá muita coisa. Porto Alegre é, pelo menos nos lugares que percorri, uma cidade mal cuidada. Prédios feios, sujos. Calçadas despedaçadas. Mas é pitoresca, esse ar de abandono, de descuido dá a Porto Alegre um charme marginal… mas quem sou eu, um turista de um dia e meio em Porto Alegre, para descrevê-la? Voltemos ao título…

O amor de sua vida deve estar por ai, mas não num trem em Porto Alegre. Pessoas vem e vão, de trem, metrô, carro e a pé. Pessoas se cruzam, se vêem, se olham, se notam, se perdem, se esquecem, se encontram, se reencontram… pessoas se, se, se… Mas não vai ser aqui no metrô, trem, de Porto Alegre que pessoas se, se, se… aqui no trem, que toda hora eu chamo de metrô, as pessoas apenas ouvem-se a si mesmas em suas playlists…

O amor de sua vida está ai, do seu lado, mesmo que seja num veículo ferroviário numa cidade do sul, numa capital que abriga um porto. O amor de sua vida é alguém que você vê, olha, ouve, nota, encontra, reencontra todos os dias… é alguém que está perto. Seja em Porto Alegre, São Paulo ou Manaus, o amor de sua vida está ai…

Eu não escrevo isso por experiência… Sei que o amor de minha vida não está aqui no aeroporto de Porto Alegre. Neste terminal de embarque há pessoas que, indo e vindo, apenas passam… a mulher que me olha sentada duas filas de bancos à frente, imaginando o quê eu escrevo (e o que eu ouço, pois sim, eu também estou com um fone de ouvido), não é o amor da minha vida… ela está sem fones de ouvido, turista!

O amor da minha vida, e o da sua também, esta ai. Olhe! Aprenda a olhar… ah, e tire os fones de ouvido, para que o amor da sua vida não ache que você está só de passagem!

🙂

20120322-090354.jpg

Porto Alegre, 22 de março de 2012.

Anúncios

Tags: , , , ,

2 Respostas to “Você não vai encontrar o amor de sua vida no metrô de Porto Alegre”

  1. Helen Says:

    …sem palavras, ou melhor, com muitas palavras.
    “Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de imposição. Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se consegue;outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido. Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer. Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um amor, e falhado, resta-nos um só caminho…o de mais nada fazer.”

  2. Fragmentos | Filosofias Cotidianas... Says:

    […] vez, em Porto Alegre, escrevi sobre amor e trens, acho que foi aqui. Trens são legais. Há uma locomotiva, força motriz da composição. Nos meus tempos de menino, a […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: